Área central

Tirando o planejamento do papel

Sobreviver no mundo corporativo está cada vez mais desafiador, especialmente por causa das forças competitivas, que muitas vezes aparecem na forma de concorrentes globais ingressando no mercado local. Como alternativa, micro e pequenas empresas utilizam a estratégia do cooperativismo, formando redes e centrais de negócio, para enfrentar a concorrência e ganhar espaço. O sucesso das centrais depende do planejamento estratégico e das lideranças que colocam esse planejamento em prática, tanto no início do investimento tanto quando a rede já alcançou alguma maturidade. Saiba aqui os principais desafios para os gestores tirarem o planejamento do papel e manterem uma rede forte e lucrativa.

Gestão com foco no futuro

Já temos vários exemplos de redes de sucesso pelo Brasil, principalmente no interior dos estados, onde as redes têm gerado vários negócios, obtendo bons ganhos e ameaçando seus grandes rivais.

O planejamento estratégico e os líderes que o tiram do papel são os pilares fundamentais para o crescimento e a estabilidade da rede no mercado. Os gestores são os responsáveis por concretizar as decisões tomadas coletivamente e que estão presente no planejamento. Porém, com o passar do tempo e o crescimento e maturidade da rede, os desafios impostos aos gestores tornam-se ainda mais complexos! Neste momento, é fundamental parar para refletir quanto ao desenvolvimento e resultados obtidos até o momento.

Marcos Junitsi Uda, consultor empresarial e também facilitador em treinamentos e palestrante, coloca alguns questionamentos fundamentais para serem pensados pelos gestores conforme o desenvolvimento da rede acontece:

  • Os gestores estão conduzindo a rede ou central de negócios aos objetivos que foram traçados?
  • A obtenção de novos ganhos será possível?
  • Os gestores estão preparados para lidar com o futuro crescimento da rede?
  • O que precisa ser melhorado na gestão da rede?

Avaliação da gestão e boas práticas

Para responder essas perguntas os gestores precisam analisar o planejamento estratégico em conjunto com as ações e resultados realizados. Eles estão a par? É isso que tornará possível saber se os gestores possibilitaram, ou não, ganhos a rede.

De acordo com Marcos Uda, outro fator relevante a ser avaliado é a forma da governança, pois esta deve ser regulada por acordos formais, como o contrato social, código de ética, e regras internas. Esses termos legais estabelecem as normas e regras para as funcionalidades e o comportamento dos integrantes da rede, incluindo sanções aos que desrespeitam as regras.

Área CentralAlém disso, o crescimento e desenvolvimento de uma rede se dá com maior sucesso quando existe a possibilidade de contratação de uma equipe com autonomia razoável para tomada de decisões. Os líderes precisam elaborar práticas de gestão cooperativas para garantir a participação dos integrantes e incentivar a colaboração, principalmente em redes com mais de cinquenta associados, ou que estão distantes geograficamente. “Para isso, uma solução são as reuniões itinerantes por região, possibilitando manter a participação de todos e, principalmente, fomentar a comunicação coletiva”.

Preparação para o futuro

Para se preparar para o futuro e o possível crescimento, é vital não só analisar as lideranças, mas também as questões jurídicas e tributárias e os processos internos. Quanto às lideranças, é essencial uma inovação e preparação em etapas, para que não ocorram surpresas ou mudanças muito drásticas de gestão.

Nas questões jurídicas e tributárias deve-se analisar qual o melhor formato, pois muitas vezes uma escolha equivocada (de um Regime Tributário, por exemplo) pode ser um empecilho para as possibilidades de negócios futuros.

Se tratando dos processos internos, é imprescindível um roteiro de tudo o que é realizado na rede, desde a negociação, a entrada de novos associados e as ações de marketing, para que quando ocorrer uma troca de gestores ou demais colaboradores, esta mudança possa fluir de modo mais tranquilo e natural. Você já leu sobre a importância da padronização dos processos nas redes?

Aproveitado o potencial da rede

A rede ou central de negócios deve ser uma união de boas práticas, que possa servir de modelo à toda rede e melhore os negócios de todos os associados. A possibilidade de ganhos de uma rede não é somente por meio das negociações de compra e poder de barganha, mas também através de atitudes, como:

  • Aprendizagem e inovação: compartilhamento de ideias e experiências entre os associados;
  • Redução de custos: compartilhamento de experiências técnicas; empreendimentos de ações conjuntas que permitam a manutenção e o gerenciamento da estrutura da rede e de seus serviços tercerizados (escritório contábil e jurídico, agência de publicidade, manutenção, entre outros);
  • Ampliação de serviços, produtos e infraestrutura para o crescimento de seus associados, como produtos de marca própria, frota para logística, garantia de crédito, identificação de oportunidades e ameaças de mercado, sede própria, entre outros.

Área Central Muitas redes não utilizam de forma plena as ferramentas de processos para melhorar suas operações. Nas redes de nível básico, por exemplo, as ferramentas das rotinas de marketing, expansão e negociação são pouco exploradas, e, nas redes avançadas, as ferramentas de integração entre os associados poderiam ser melhores utilizadas.

Hoje, os maiores problemas enfrentados pelas redes são: baixa escala de compras, processo decisório lento, pouca aderência às compras conjuntas e ações promocionais, sistema de informação inconsistente, pouca participação e comprometimento dos associados, e interesses pessoais sobrepondo os interesses coletivos.

Ficando de olho na gestão, para garantir que os processos internos funcionem corretamente e o plajamento seja seguido, muitos desses problemas serão reduzidos e a rede alcançará seus objetivos com sucesso. Para facilitar o trabalho, também é necessário investimento em uma boa tecnologia de gestão para Centrais de Negócios. Investir em softwares é também investir na equipe de gestão e na qualidade do serviço prestado pelos líderes, além de facilitar a comunicação e engajar muito mais todos os associados. Conheça a Área Central.