Rede de Negócios

Perca o receio de fazer parte de uma Central de Negócios

Você possui uma empresa e ela lhe fornece lucros. A questão é que com a volatilidade do mercado brasileiro você possui dificuldades para que esse lucro seja constante e duradouro. O preço dos insumos sofrem alterações frequentemente e o poder de barganha com seus fornecedores caiu.

Esta é a realidade de muitas pequenas e médias empresas no país. Sem conseguir preços competitivos com os fornecedores, entregam seus produtos ao consumidor final com um preço elevado. As vendas caem, e o lucro, que é instável, vem apenas quando a economia está mais aquecida.

Em tempo: Veja o que é uma Central de Negócios e como ela pode ser bem-vinda na geração de lucros para um negócio.

Neste texto vamos tratar sobre questões que possivelmente se tornaram barreiras que te impediram/impedem de participar de uma Central de Negócios. Ao finalizar a leitura, desejamos que você perca o receio de fazer parte de uma Central. Preparado?

SE INFORME QUAIS SÃO AS REGRAS

Existem diversos segmentos no mercado. Uma Central de Negócios tem como base para o seu funcionamento, ter como associados, apenas empresas de um mesmo ramo de negócio, como por exemplo supermercados, materiais de construção, móveis e farmácias. Cada qual abrange uma área e cada uma faz parte de uma Central distinta.

Sendo assim, de acordo com o segmento, a Rede define regras para incorporar novos associados a ela (vale lembrar que podem existir duas redes, de um mesmo segmento, mas que pratiquem regras diferentes). Estas regras relaciona ao tamanho da empresa, número de funcionários ou se tem algum associado que está na Central, e que seja da sua cidade.

Essas questões levantadas, são apenas alguns modelos, mas existem inúmeros critérios que podem ser levados em consideração na hora da Central tornar uma empresa como sócia.

Hoje a Área Central atende mais de 17 segmentos do mercado brasileiro. Se fosse apresentar o Regimento Interno de cada Central, de acordo com cada ramo, iria faltar espaço.

Nossa dica é que se você tem um supermercado, por exemplo, pesquise quais são as Redes de Supermercados existentes no Brasil e faça contato com a mais perto de você. Veja se já possuem um associado na cidade que você mora, e ainda, quais são as regras vigentes desta Rede em específico.

PEÇA OPINIÃO DE OUTRAS PESSOAS

A opinião das pessoas é fundamental. Pesquise no Google se no local onde mora existem Centrais de Negócios. Se tiver, procure mais informações sobre elas, seus avanços e conquistas. Verifique também as Redes Sociais dessas empresas, que fazem parte de uma Central. Note se as vendas aumentaram e se a empresa tem novos funcionários, por exemplo. Estes são sinais de crescimento.

Se não estiver satisfeito com o que tem visto na internet, se for possível, vá até uma Central mais próxima ou na empresa que você pesquisou. Feito isso, tire as dúvidas que mais lhe são pertinentes com o dono(a) do negócio e associado(a) da Rede.

Não se sinta desconfortável ao fazer isso, pois normalmente todos que hoje são membros de uma Central, também pesquisaram bastante até tomar a decisão de fazer parte de uma.

QUANTO PRECISO INVESTIR PARA FAZER PARTE?

Ao falarmos desta parte, vamos parecer meio redundantes, mas não tem como ser diferente. No início falamos sobre as regras, que cada segmento aplica as suas, ou seja, as que forem mais favoráveis para o bom andamento da Central. Ja sobre o investimento? É no mesmo sentido.

Existem algumas que cobram mensalidade dos associados, outras não. Os valores pagos seriam uma forma de contribuição, por parte dos associados, para custear investimentos, mas cada qual trabalha essa questão de forma característica.

Lembre-se que uma Rede de Negócios é uma instituição sem fins lucrativos. Conforme o princípio dessas instituições, os gestores não são remunerados e não são distribuídas as sobras entre os associados.

Mas existem encargos tributários, legais e sistema para controle das ações da Central (quando possuem) que precisam ser mantidos e custeados. Neste caso, usa-se doações, rendimentos de aplicações, contratos e acordos firmados com empresas nacionais e internacionais (e se tiver, a mensalidade).

SEU PAPEL COMO ASSOCIADO

Como sócio, você colabora nas escolhas e defini ações e compras que serão realizadas na Central. Você deve participar ativamente no estabelecimento de políticas e tomadas de decisões.

Não só isso, deve tratar a Rede como seu segundo negócio. Se dedicar e empenhar-se ao máximo, sempre que necessário. Para ela funcionar é indispensável a sua presença nas reuniões e decisões mais importantes. Em suma, quanto mais você se fizer presente na gestão da Central, mais entendido das movimentações você estará e apto a auxiliar nas escolhas de maneira centrada e assertiva.

É necessário que você adapte seu negócio, na questão visual (Marca Coletiva) e na gestão. Fazer parte de uma Central é trabalhar diariamente com atitudes e decisões cooperativistas, portanto tenha atenção ao pôr em prática estas mudanças fundamentais, mas que valem o esforço!

QUAIS SÃO AS VANTAGENS?

Depois de tratar sobre o investimento, essa é a parte mais importante, não concorda? Ao ler tudo isso, vem aquela frase já esperada: O que eu ganho com isso?

Gráfico Redes no BrasilSe participar de uma Central não fosse tão vantajoso, não haveriam cada dia mais delas.

No gráfico ao lado, do site da ABRCN (Associação Brasileira de Redes e Centrais de Negócios), você identifica o crescimento das Centrais por setor.

Vamos listar abaixo algumas vantagens:

  • Redução de custos;
  • Obtenção de melhores preços;
  • Contratação de serviços em conjunto;
  • Acesso à mídia/propaganda;
  • Exportação e compra em conjunto;
  • Criação de uma rede, com identidade própria;
  • Acesso a informações;
  • Centralização da distribuição;
  • Padronização da marca;
  • Planejamento de ações de venda;
  • Obtenção de melhores condições para linhas de crédito;
  • Criação e valorização da marca através do Marketing compartilhado;
  • Cursos de capacitação gerencial e qualificação profissional;
  • Assessoria e consultoria em diversas áreas, ampliando a prática gestora dos associados;
  • Planejamento estratégico e gestão compartilhada;
  • Troca de informações e experiências;
  • Ampliação de parcerias (fornecedores) e, consequentemente, otimização dos preços negociados;
  • Escritório central da rede adequado às necessidades funcionais dos associados;
  • Expansão do quadro de associados.

CONCLUSÃO

Você viu que para entender mais sobre uma Rede de Negócios e perder o receio de participar de uma, é necessário pedir opinião de outras pessoas e descobrir as regras (de acordo com seu segmento, ou é possível que duas redes de um mesmo segmento apliquem regras diferentes). Além disso, você precisa se informar de quanto precisa investir e qual o seu papel como associado, ainda, é claro, dos benefícios de ser membro.

Nossa dica é que você pesquise ao máximo e entenda profundamente dos detalhes para tirar todas as suas dúvidas. E sim, vá atrás para saber tudo que for necessário para perder o receio de fazer parte de uma Central ou Rede de Negócios.

Elas já existem a alguns anos e vem ganhando força. É a sua oportunidade de crescer no mercado e criar parceiros valiosos.

Leave a Reply