Área Central

O que é uma Central de Negócios

A Central de Negócios é um meio de gestão que visa fortalecer grupos de pequenos empreendedores de um mesmo segmento, através da cultura do cooperativismo. Por meio de ações em conjunto, como compras, venda, promoções; pequenos negócios se tornam mais fortes e podem superar dificuldades no mercado competitivo. Os grupos conseguem novas oportunidades e benefícios, aumentando as chances contra a concorrência, mesmo frente a grandes marcas do mesmo ramo. Entenda o que é uma Central de Negócios, suas vantagens, seu funcionamento, dificuldades e primeiros passos para a criação de uma.

O que é

Área CentralCentral de Negócios representa a união de forças, por meio de ações conjuntas, de empreendedores independentes entre si. O objetivo principal é superar dificuldades, ganhar oportunidade e gerar benefícios para os associados, constituindo uma organização empresarial. As ações coletivas aumentam a competitividade e a lucratividade das pessoas jurídicas e/ou empresas participantes da Central. A Central de Negócios pode ser vista como um avanço do modelo de Central de Compras, pois ela amplia o foco da atuação coletiva, que não fica restrita apenas às compras. Portanto, uma Central de Negócios é uma base associativa, formada por empresas ou empreendedores independentes (mas do mesmo mercado), que buscam soluções conjuntas de interesse econômico.

Objetivos

Toda ação possui um objetivo principal. Construir uma Central de Negócios, ou fazer parte de uma, também tem seus objetivos e benefícios, entre eles:

  • Compra conjunta de mercadoria/insumos;
  • Padronização de fachada/layout de loja;
  • Centrais de serviços contábeis, tributários e jurídicos;
  • Contratação de consultorias compartilhadas;
  • Definição de marca própria;
  • Acesso à tecnologia da informação;
  • Desenvolvimento de melhor comunicação interna da loja (e entre as lojas);
  • Contratação conjunta de fornecedores de serviços (telefonia, convênio de saúde, serviços bancários, frotas de veículos, etc.);
  • Aumento no mix de produtos;
  • Participação coletiva em feiras e eventos do setor;
  • Participação em rodadas de negócios com clientes e fornecedores;
  • Propaganda conjunta em volantes, folhetos, rádio e televisão;
  • Contratação de sistemas informatizados e integrados;
  • Treinamento conjunto dos colaboradores;
  • Troca de experiências sobre gestão do seu negócio com outros empresários

Princípios

 Para que a organização funcione como uma Central de Negócios e os associados possam se beneficiar das vantagens que ela traz, existem alguns princípios para sua criação e/ou adesão de associados. A saber:

 Adesão voluntária e livre: são organizações abertas a todas as pessoas aptas a usar seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades de sócio, sem discriminação social, racial, política, religiosa e de gênero.

 Gestão democrática pelos sócios:  são organizações democráticas, controladas pelos sócios, que participam ativamente no estabelecimento de políticas e na tomada de decisões. Em assembleia geral dos sócios são definidas as políticas e linhas de ação da instituição. É também eleita uma diretoria, que será responsável pela administração da central de negócios.

Autonomia e independência: são organizações autônomas de ajuda mútua, controladas pelos membros.

Educação, formação e informação: as entidades devem proporcionar educação e formação aos sócios, administradores e colaboradores, de modo a contribuir para o desenvolvimento.

Interesse pela comunidade: as organizações trabalham pelo desenvolvimento sustentável das comunidades, municípios, regiões, estados e país por meio de políticas aprovadas pelos membros.

Remuneração e Manutenção: as centrais não remuneram seus dirigentes nem distribuem sobras entre associados, conforme o princípio das instituições sem fins lucrativos. Elas são mantidas por meio de: contribuições dos sócios ou de cobrança dos serviços prestados; contratos e acordos firmados com empresas e agências nacionais e internacionais; doações, legados e heranças; rendimentos de aplicações, de seus ativos financeiros e outros pertinentes ao patrimônio sob a sua administração; recebimento de direitos autorais.

Vantagens

 Claro que ser associado a uma Central de Negócios traz benefícios ao empreendedor. Do contrário, ninguém escolheria participar de uma. As Centrais de Negócios são conhecidas justamente por fazerem jus ao lema “a união faz a força”. As principais vantagens de fazer parte de uma são:

  • Redução de custos;
  • Obtenção de melhores preços;
  • Contratação de serviços em conjunto;
  • Aumento do poder de negociação;
  • Acesso à mídia/propaganda;
  • Exportação e compra em conjunto;
  • Criação de uma rede, com identidade própria;
  • Acesso a informações;
  • Planejamento de ações de venda;
  • Capacitação de equips;
  • Planejamento de marketing conjunto;
  • Centralização da distribuição;
  • Formatação de lojas;
  • Padronização da marca;
  • Obtenção de melhores condições para linhas de crédito.

Funcionamento

Como vimos, uma central de negócios pode proporcionar melhor negociação entre os fornecedores, melhoria no preço de compra de mercadorias, construção de uma marca própria, treinamento de colaboradores, troca de experiências, e muito mais! Porém, participar da central também requer que o empreendedor modifique a forma de gerenciar seu próprio negócio. Atente-se para as necessidades de mudanças:

Adequação

Área CentralSerá necessário adequar o jeito de administrar a empresa. Esse é um fato.  E essa tem sido uma das principais dificuldades na organização das centrais de negócios. Essa adequação pode levar um tempo maior do que os empresários imaginam e, também, uma negociação e comunicação constantes, a qual eles não estão acostumados. Um ponto a se atentar antes da formação é o tamanho das empresas associadas. Uma diferença muito grande de porte das empresas pode inviabilizar o modelo, pois as necessidades e objetivos podem ser muito diferentes.

Participação

A rotina dentro de atuação de uma rede necessidade de maior presença e dedicação. O funcionamento da central de negócios exige a participação em uma série de reuniões para decidir estratégias e ações. Por conta da maioria dos associados ser de pequenos empresários (geralmente envolvidos em todos os aspectos da empresa), a falta de tempo para participar da vida da organização pode ser elemento de discórdia e uma grande dificuldade. Porém, uma central de negócios é outro negócio e deve ser tratado como tal. Sem a dedicação dos empresários, a entidade não gera os resultados esperados.

Questões jurídicas

Em termos jurídicos, esse tipo de entidade é de direito privado, sem fins lucrativos. Ela tem como objetivo defender e promover os interesses das empresas que a constituem. A Central de Negócios funciona como uma Associação, uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) ou uma Cooperativa. Dentro dela, existem direitos e obrigações entre os associados.

A parte tributária é um dos maiores desafios para esse tipo de instituição, principalmente por não haver indicações claras sobre todos os tributos a serem pagos. Há inúmeras possibilidades de atuação das associações e os impostos variam de acordo com as legislações municipais, estaduais e federais. Leia sobre regimes tributários para Centrais de Negócios clicando aqui.

Fonte: Informações retiradas da página do Sebrae.