Colaboração e estratégias compõem uma rede de sucesso

O associativismo que compõe as centrais de negócios surge como solução às dificuldades encontradas com a atividade individual. O objetivo é ampliar o mercado de atuação das empresas e procurar novas oportunidades de negócio. Esta união de empreendimentos oportuniza aumentar a competitividade, contudo, embora traga benefícios, a prática exige um bom relacionamento entre as empresas.

O trabalho em equipe é a chave para o sucesso, e para uma boa convivência entre os associados é necessário estar disposto a aceitar as responsabilidades de sócio, sem qualquer discriminação: social, racial, política, religiosa ou de gênero. O diálogo pode evitar conflitos e criar estratégias.

Cabe aos empreendedores:

  • Gestão democrática pelos sócios: as associações são organizações democráticas, onde os sócios participam ativamente no estabelecimento de suas políticas e na tomada de decisões;
  • Participação econômica dos sócios: os sócios contribuem de forma justa e controlam democraticamente as associações. As centrais não remuneram seus dirigentes, nem distribuem sobras entre os associados;
  • Autonomia e independência: as associações são autônomas de ajuda mútua, controlada pelos membros. Pode haver um acordo com outras entidades, inclusive governamentais, ou receber capital de origem externa, porém isso deve ser feito com autorização dos sócios e visar a autonomia do grupo;
  • Educação, formação e informação: as associações devem proporcionar educação e formação aos sócios, dirigentes eleitos e administradores, de modo a contribuir para o desenvolvimento do grupo;
  • Linhas de gestão: por meio de assembleia geral são definidas as políticas e linhas de ação da instituição, é eleita uma diretoria que será responsável pela administração da central de negócios.

Estratégias no associativismo

Apesar de as centrais oferecerem maior competitividade e possibilitarem crescimento diante à concentração de empresas de grande porte, há formas para os varejistas conquistarem ainda mais o mercado. Vejamos algumas:

  • Comprar bem: mesmo que o associativismo ofereça custos baixos nas compras, com a centralização das negociações é possível aumentar as escalas e reduzir os custos de transação;
  • Criar reputação de imagem: apenas boas compras não garantem vantagem, portanto deve-se conhecer a relação de produtos mais sensíveis a variações de preços e utilizá-los como atrativos da loja. Também é interessante conhecer os preços dos concorrentes;
  • Comercializar as mercadorias corretas: conhecer o perfil dos consumidores da área de influência da loja. Assim, definir variedade de mercadorias que serão comercializadas, e os produtos corretos aumentarão o giro, alavancando os resultados;
  • Investir em tecnologias de informação: conhecer os clientes e seus hábitos de consumo por meio de um cadastro atualizado e o registro das transações com clientes. Manter o registro desses dados, quantidade de compras, frequência e preferência dos consumidores é uma vantagem que possibilita ações pontuais e promoções mais eficientes;
  • Garantir velocidade de check-out: os clientes querem serviços rápidos. Quando consumidores têm de esperar muito em uma fila, eles ficam aborrecidos e incomodados. A tecnologia é uma boa saída para aumentar a velocidade de check-out;
  • Cortar custos continuamente: todos procedimentos devem ser revistos para se verificarem maneiras econômicas de realizar as tarefas. Grandes economias podem ser alcançadas em áreas como: carregamento, transporte, compras conjuntas, automação e eliminação de roubos, perdas e desperdício.
  • Capacitar funcionários: clientes gostam de lidar com pessoas que conheçam o negócio e que estejam capacitadas a resolver problemas. Varejistas devem investir na capacitação e qualificação do pessoal de loja e atendimento, com políticas e procedimentos que facilitem a tomada de decisão e garantam autonomia aos funcionários, além de mantê-los motivados.

Desta forma, administrando corretamente a central com colaboração entre os associados e planejando estratégias que coincidam com os objetivos da rede, os varejistas atingem a meta almejada com facilidade.